Novas pesquisas no campo da Nutrição – Produtos Orgânicos: Consumo e Armazenamento de Vísceras de Animal

Novas Pesquisas no Campo da Nutrição

Produtos Orgânicos: Consumo e Armazenamento de Vísceras de Animal


Por Mônica de Castro Barbosa em 7 de agosto de 2013.

‘Por agora versaremos a respeito do que se possa pensar em adquirir de vísceras para consumo humano.

Haja visto a profusão com que estes alimentos ainda fazem parte da dieta humana, seja em comemorações ou em festas e no consumo diário de tal tipo de produto orgânico, propõe-se hoje este tema como informação.

Na atualidade há que pensar que muitos outros ‘alimentos’ de natureza orgânica animal fazem parte da dieta humana ainda que precariamente ou pouco frequente se apresentem em oferta para consumo.

Fato é que a avaliação a respeito da aquisição e consumo deste tipo de alimento deve ser considerada com mais rigor, muito mais rigor, visto a qualidade inerente destes produtos no que concerne à oferta de nutrientes orgânicos, mas, por serem áreas viscerais orgânicas, há que pensar e considerar que são áreas corporais de alto teor metabólico, mesmo após abaste e correta conservação, sem que se possa pensar de outra forma.

Haja visto nosso desejo e propósito que tal organização se faça na compra e aquisição consciente de tal produto, apresentamos aqui alguns dados que poderão orientar você, consumidor, na aquisição e consumo consciente deste tipo de produto alimentar.

Optamos por não propor em excesso, dados que não se relacionam atualmente a outras áreas corporais animais tradicionalmente consideradas como vísceras por já não serem de uso corrente para a maioria dos estados brasileiros. Acreditamos nós, que, com o tempo, este tipo de produto será relegado à alimentação animal apenas, visto a intensidade com que mobilizam as reservas orgânicas no sentido do processamento orgânico necessário aos tipos de nutrientes ali presentes e em alta concentração digo: ácidos graxos saturados, insaturados, monossaturados e aminoácidos de cadeia longa (ramificada). Nenhum alimento orgânico é tão rico nestes tipos de nutrientes quanto às vísceras animais e, insistir na atualidade no consumo humano de tal tipo de produto é improdutivo e às vezes lesivo quando se considera a frequência com que os humanos se encontram adoecidos na funcionalidade orgânica cerebral e mental.

Visto nossas palavras iniciais vamos só corroborar nosso desejo de que se faça, quando assim se pretender ou ocorrer, o consumo de tal produto visceral de forma organizada e consciente no sentido de manteres ainda a qualidade nutricional (alguma qualidade nutricional) e higiênico-sanitária de tal produto, sem exceção.

Abaixo, relacionamos dados específicos sobre vísceras bovinas, suínas e também de aves, com o intuito de melhor orientar a compra e aquisição por aqueles que insistem em fazer uso de tais alimentos.

Vísceras de boi: aqui informaremos a respeito de língua, bucho (estômago), fígado e rim bovinos.

Cada um deles merece um ‘cuidado’ especial na compra/aquisição visto o intervalo de administração em conservação específico a cada ‘alimento’.

Para o fígado bovino fresco deve-se considerar sua aquisição após abate, quando fresco, até 36 horas, sem que se possa pensar de outra forma, visto o nível metabólico interno de degradação que se faz em função de sua característica imunológica, sem exceção.

Seu tempo para consumo após aquisição são de 10 horas se conservado em geladeira (após a compra) ou 15 a 30 horas se armazenado diretamente no congelador após o tempo de aquisição.

Nunca se deve propor consumi-lo cru, visto o alto índice enzimático de degradação das ‘substâncias’ internas próprias a este ‘órgão’/alimento.

Nunca se deve propor adquiri-lo congelado, visto ser uma víscera em alto estado de degradação orgânica (isto é, degradação de princípios orgânicos).

Língua Bovina Fresca: tempo de aquisição pós abate: até 48 horas. Validade se guardado em geladeira: 48 horas. Não se recomenda seu acondicionamento em congelador.

Caso queira adquirir a Língua Bovina Congelada, lembre-se que esta terá validade, se guardada em geladeira por até 48 horas. Não se recomenda seu acondicionamento em congelador, após aquisição.

Para o estômago e rim indica-se sempre consumi-los ‘frescos’, isto é, que não sejam adquiridos congelados.

Nestes casos assim deve-se considerar:

Bucho (estômago) Bovino Fresco: tempo de aquisição pós abate: até 48 horas. Validade se guardado em geladeira: 46 horas. Validade se guardado em congelador: 96 horas.

Rim Bovino Fresco: tempo de aquisição pós abate: até 48 horas. Validade se guardado em geladeira: 46 horas. Validade se guardado em congelador: 96 horas.

Agora, quanto às vísceras de porco, tem-se que:

Coração de porco: o melhor que temos a fazer é considerar apenas 24 horas após o abate e dissecação do suíno para aquisição e consumo imediato deste alimento, sem exceção.

Validade se guardado em geladeira: 10 horas. Validade se guardado em congelador: 10 horas, se diretamente acondicionado em congelador após a aquisição.

Agora, quanto ao rim de porco, assim deve-se considerar: até 48 horas após dissecação e abate, deverá se obter o alimento cru, sem associação com ervas ou outros produtos do tipo.

Poderá ser armazenado em geladeira se for para consumo imediato isto é até 10 horas após a aquisição. Quanto ao acondicionamento em congelador há que pensar que no máximo 30 horas serão o suficiente para evitar a degradação evidente deste tipo de produto.

Quanto a aves, em relação ao fígado e moela é necessário lembrar que são vísceras e locais de alto processamento orgânico de substâncias e metabólicos orgânicos.

Assim, tem-se que, com relação às vísceras de aves:

Fígado Fresco: tempo de aquisição pós abate: até 48 horas. Validade se guardado em geladeira: 24 horas. Validade se guardado em congelador: 60 horas.

Moela Fresca: tempo de aquisição pós abate: até 48 horas. Validade se guardado em geladeira: 24 horas. Validade se guardado em congelador: 60 horas.

Fígado Congelado: Validade se guardado em geladeira: Não há. Deve ser consumido no mesmo dia de sua aquisição. Validade se guardado em congelador: 60 horas.

Moela Congelada: Validade se guardado em geladeira: Não há. Deve ser consumido no mesmo dia de sua aquisição. Validade se guardado em congelador: 60 horas.

Coração Fresco: tempo de aquisição pós abate: até 10 horas. Validade se guardado em geladeira: 20 horas. Validade se guardado em congelador: 48 horas.

Coração Congelado: Validade se guardado em geladeira: 60 horas. Validade se guardado em congelador: 60 horas.

É importante ressaltar a necessidade de considerar e avaliar, seja com relação a estes alimentos ou outro alimento qualquer, de natureza animal ou vegetal, não só a questão ‘quesito nutricional calórico’ mas também a oferta de outros nutrientes, mais importantes à resposta corporal do que propriamente os nutrientes calóricos, como a população tem o hábito de validar.

Sempre que o indivíduo se pauta na aquisição de um alimento ou produto alimentar com base no item calórico apenas, certamente faz uma escolha ruim, se olharmos pela oferta nutricional neste âmbito que estamos a supor, cito, para além dos nutrientes calóricos.

Fato é que há que corrigir estes conceitos. Há também muitas informações a repassar àqueles que já estão dispostos e receptivos a uma nova conceituação nutricional.’

 

 

4 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *